Browsing Tag

capela

a-capela-catc3b3lica-decorada-com-40-mil-esqueletos-humanos

A capela católica decorada com 40 mil esqueletos humanos

Por fora, o Ossuário de Sedlec é um prédio sólido. Essa pequena capela católica, que leva o nome de um subúrbio da cidade tcheca de Kutná Hora, tem janelas no estilo gótico, grossos muros de pedra bege e três torres modestas, com as cúpulas pretas. O jardim é ocupado por um cemitério, e as lápides são ilegíveis para quem fala português.

home1

 

Depois de andar entre as árvores simpáticas na calçada, fica difícil de acreditar no que aguarda quem resolve entrar no templo: as paredes e o teto são decorados com mais de 40 mil esqueletos humanos. O maior destaque é o lustre, que, reza a lenda, contém pelo menos um exemplar de cada osso do corpo – da tíbia e o perônio, na perna, ao martelo, a bigorna e o estribo, no ouvido. Outro ponto alto da visita, também esculpido com crânios e afins, é um enorme brasão da família Schwarzenberg – uma linhagem de nobres da Idade Média que até hoje é influente na vida política da Alemanha e da região histórica da Boêmia.

Segundo a história oficial, tudo começou em 1278, quando Otacar II, rei da Boêmia, enviou o abade de Sedlec a Jerusalém. A viagem, na época, era bem mais longa e difícil do que é hoje – então o clérigo fez um city tour completo e aproveitou para passar em Gólgota, uma colina na periferia da cidade israelense que, em línguas latinas, atende por um nome familiar: Calvário. O nome significa “lugar da caveira”, e de acordo com a tradição católica, é ali que Jesus foi crucificado.

O abade não quis ir embora sem uma lembrança, então coletou uma porção de terra da colina sagrada, levou a amostra para a Boêmia em um jarro e a despejou no chão do cemitério local, instalado nos amplos jardins da abadia de Sedlec. Má ideia. De uma hora para outra, todo mundo quis ser enterrado ali. Afinal, não é todo dia que você tem uma chance de repousar eternamente no mesmo solo que Jesus.

No século 14, com a peste negra, o número de pessoas que queriam descansar do lado do Senhor aumentou vertiginosamente. Mais de 30 mil pessoas acabaram em uma vala comum no local. Para pôr ordem na bagunça e dar um descanso católico digno às vítimas da epidemia, em meados do século 15 o os clérigos resolveram construir, no centro do cemitério, o ossário, e em seu topo a capela – mal sabiam eles que o prédio humilde se tornaria tão famoso no futuro.

No época da construção, a aparência do interior era simples e despojada. A ornamentação feita com ossos começou a ser instalada centenas de anos depois, no século 18, pelo escultor barroco Jan Blažej Santini Aichel – que usou os restos mortais para fabricar guirlandas, cálices, candelabros e outros símbolos litúrgicos que apareciam aos montes nas igrejas da época (você não precisa ir à República Tcheca para ver o exagero do barroco de perto: basta uma visita a Ouro Preto, em Minas Gerais).

Aichel inovou, mas não foi ele o responsável pela aparência atual da capela. Mais ou menos 100 anos depois do arquiteto ítalo-boêmio terminar sua obra, a igreja católica saiu do terreno do cemitério, que foi anexado pela já mencionada família Schwarzenberg. Eles não brincam em serviço: pagaram o marceneiro e escultor František Rint para fazer uma reforma – e dar um upgrade na ideia original.

Ele chutou o balde: fez o famoso lustre, e o brasão para agradar seus empregadores. Também assinou o próprio nome na parede (com ossos, é claro).

Hoje a capela é um dos pontos turísticos mais visitados do país. À exemplo das igrejas mineiras, visitantes precisam pagar ingresso para acessá-la – o valor vai todo para manutenção, já que, entre outros problemas, o solo do cemitério é instável e não sustenta mais o peso do edifício. Quem quiser saber mais (e não tiver problema com legendas em inglês) pode ver um documentário sobre a lenta restauração, disponível aqui.

Quanto a aparência macabra, o site oficial garante: a capela, na verdade, transmite paz. Memento mori. 

 

Texto e imagens: Superinteressante